sexta-feira, 30 de junho de 2017

"Ambiversão"

Eu sempre me achei uma pessoa tímida, ou melhor dizendo, introvertida. Minha família e meus amigos mais próximos sempre concordaram, mas com frequência eu encontro pessoas que se surpreendem quando digo isto, na linha de "Você, como assim, já assisti várias palestras suas com auditório cheio e você foi super bem!" ou coisa parecida. Também vai na contramão desta percepção o fato de que por muitos anos eu fui bastante ativo em fóruns de discussão na Internet, e com frequência escrevo no meu blog e interajo com leitores via email ou comentários. Até costumo dizer que fui "salvo pela Internet", pois através dela conheci centenas, talvez milhares de pessoas com as quais dificilmente iria interagir no mundo real sem este estímulo inicial.

Mas parte de mim sempre acho que esta coisa de ser introvertido seria verdade só até certo ponto. Aí em 2013 eu li "To Sell Is Human"/"Saber vender é da natureza humana", de Daniel Pink, que me apresentou o conceito de "ambiversão". Segundo Pink (traduzindo de artigo do autor disponível aqui  - por favor confira o artigo para saber mais sobre a Escala de Grant):

"Ambivertidos, um termo criado por cientistas sociais na década de 1920, são pessoas que não são nem extremamente introvertidas nem extremamente extrovertidas. Pense na escala de 1 a 7 usada por Grant. Ambivertidos não são 1 ou 2, mas também não são 6 ou 7. Eles ficam entre 3 e 5. Eles não são quietos, mas também não são barulhentos. Eles sabem como colocar suas opiniões, mas não são insistentes."




Isto me fez lembrar um dos maiores elogios que já recebi na vida de um colega de trabalho, vai em inglês mesmo pois é fácil de entender:

"Ivo is a man of few words, but each one is gold."

E para não parecer que estou me autopromovendo. aqui vão alguns adjetivos usados a meu respeito por pessoas que não são da minha família ou do meu círculo mais próximo de amigos: metido, arrogante, dono da verdade, pretensioso, autoritário e por aí vai...

Interessante, não? Minha leitura é de que todos estão certos, afinal estas foram suas percepções, e eu descobri que sou um "introvertido que às vezes tende para a ambiversão". E se queremos ter sucesso na vida precisamos dar atenção às opiniões positivas e negativas a nosso respeito. Muitas podem ser bobagens (geralmente por se basearem numa amostra muito pequena de nosso comportamento), mas boa parte retrata uma percepção concreta da outra pessoa, reforçada ainda mais quando outras pessoas emitem opinião similar.

Ok, mas e daí? E daí que eu acredito que todos nós que estamos mais para um dos extremos da Escala de Grant temos MUITO a aprender com o outro extremo, e podemos fazer isto via obervação e prática, ao mesmo tempo mantendo nossa essência interior. Continuo me considerando um introvertido, mas estou totalmente convencido da necessidade de incorporar aspectos de extroversão no meu comportamento e na minha comunicação com outras pessoas, em especial as extrovertidas, e vejo isto como uma tarefa para o resto da vida. E se você quer começar a fazer isto, eu sugiro este simples exercício:


Começando AGORA, passe a cumprimentar TODA pessoa com quem você interage na sua rotina diária (tanto pessoal quanto profissional) com um sorriso no rosto, chamando a pessoa pelo nome (se não sabe ou não se lembre pergunte, e trate de não esquecer!), olhando nos olhos e dizendo "Bom dia Alice" ou algo parecido. Pratique isto por duas semanas e depois reflita sobre o que aconteceu na sua vida. E caso se sinta à vontade por favor comente por aqui como foi!


***************************************************

Ivo Michalick, 30 de junho de 2017
Twitter: @ivomichalick
Belo Horizonte - BRASIL


Um comentário:

  1. Esse livro acabou de entrar na minha lista 'to read'. Obrigado.

    ResponderExcluir